Brasil

Por 9 votos a 2, STF mantém fundo eleitoral de R$ 4,9 bilhões

Em sua estreia como relator de um processo no plenário da Corte, ministro André Mendonça foi acompanhado por Ricardo Lewandowski; partido Novo pedia que montante fosse reduzido para R$ 2,1 bilhões

Publicada em 04/03/22 às 22:12h - 28 visualizações

por JovemPan News


Compartilhe
Compartilhar a notícia Por 9 votos a 2, STF mantém fundo eleitoral de R$ 4,9 bilhões  Compartilhar a notícia Por 9 votos a 2, STF mantém fundo eleitoral de R$ 4,9 bilhões  Compartilhar a notícia Por 9 votos a 2, STF mantém fundo eleitoral de R$ 4,9 bilhões

Link da Notícia:

Por 9 votos a 2, STF mantém fundo eleitoral de R$ 4,9 bilhões

Por 9 votos a 2, o Supremo Tribunal Federal (STF) validou a decisão do Congresso Nacional que destinou R$ 4,9 bilhões para o fundo eleitoral. O julgamento, iniciado no dia 23 de fevereiro, foi encerrado na tarde desta quinta-feira, 3. Foram vencidos os ministros André Mendonça, relator da ação, e Ricardo Lewandowski. Os ministros Nunes Marques, Luis Roberto Barroso, Luiz Fux, Alexandre de Moraes, Edson Fachin, Dias Toffoli, Rosa Weber, Cármen Lúcia e Gilmar Mendes votaram no sentido contrário. Os magistrados analisaram uma ação proposta pelo partido Novo, que alegava que o valor aprovado pelo Legislativo era inconstitucional.

A Corte retomou o julgamento nesta tarde e atingiu o placar de seis votos favoráveis com a manifestação da ministra Rosa Weber. Também votaram a favor da manutenção do valor os ministros Kassio Nunes Marques, Luís Roberto Barroso, Luiz Fux, Alexandre de Moraes, Edson Fachin e Dias Toffoli. O único a se manifestar contra foi André Mendonça, relator da ação. Ainda faltam os votos de Cármen Lúcia, Gilmar Mendes e Ricardo Lewandowski. A ação foi proposta pelo partido Novo, que alegava que o valor aprovado pelo Congresso Nacional era inconstitucional. A legenda também pedia que o montante fosse reduzido para R$ 2,1 bilhões, valor inicialmente proposto no Orçamento. Em 2018, o montante destinado aos partidos e aos candidatos foi de R$ 1,7 bilhão.

A maioria dos ministros entendeu que não cabe ao STF interferir na decisão do Legislativo. “Não pode o Supremo assentar, ainda que em um cenário de restrição orçamentária, e mesmo de crise pandêmica, a melhor alocação para a receita pública”, disse Nunes Marques. Já o presidente da Corte, Luiz Fux, afirmou que o valor é alto, mas que não há inconstitucionalidade. No ano passado, o Congresso aprovou R$ 5,7 bilhões para o fundo eleitoral. O presidente Jair Bolsonaro (PL) vetou a medida, mas o veto foi derrubado pelos parlamentares. O Legislativo, então, diminuiu o valor para R$ 4,9 bilhões.




ATENÇÃO:Os comentários postados abaixo representam a opinião do leitor e não necessariamente do nosso site. Toda responsabilidade das mensagens é do autor da postagem.

Deixe seu comentário!

Nome
Email
Comentário


Insira os caracteres no campo abaixo:








Nosso Whatsapp

 (77)9850-5963

Visitas: 22616
Usuários Online: 5
Copyright (c) 2022 - Muquém Em Foco Notícias - Muquém Em Foco Notícias 2021. Todos os direitos reservados.